© 2019 por Comissão Organizadora da Semana de Química. 

Palestras

[PL01] Adriana e Marilda - Desafios do ingresso no mundo do trabalho: limites e possibilidades

Segunda - feira

14h - 16h

IQ03

O mundo do trabalho na atualidade é reconhecido por ser incerto, volátil, dinâmico e complexo e que há constantes desequilíbrios entre oferta e procura de oportunidades. Certamente, a maioria dos estudantes de graduação ou mesmo de pós-graduação estarão em algum momento em transição da vida acadêmica para o mundo do trabalho, o que requer alguma preparação para enfrentar as incertezas presentes neste contexto. É importante compreender e identificar experiências ao longo da trajetória acadêmica que possam potencializar as chances de empregabilidade. Conhecer as principais ferramentas e etapas de um processo seletivo nas empresas, bem como desenvolver o autoconhecimento, são condições que podem contribuir para uma preparação do estudante, de modo mais efetiva. Assim, o objetivo desta oficina é de discutir e vivenciar aspectos do processo seletivo para o ingresso no mundo do trabalho.

[PL02] Rebeca Buzzo Feltrin - Modelos de Avaliação da Ciência e Tecnologia: limites e possibilidades

Segunda - feira

16:30 - 18h

IQ02

A avaliação da produção da Ciência e Tecnologia (C&T) cumpre importantes funções, como a de prestar contas dos recursos alocados, compreender a dinâmica da produção científica e tecnológica, além de estimular o próprio crescimento dessas atividades. O modelo de avaliação tradicional da C&T é pautado fortemente no uso de indicadores bibliométricos – quantidade de artigos publicados e citados. Embora a publicação de artigos seja parte importante do desenvolvimento científico, esse modelo de avaliação quantitativo passou a ser utilizado largamente para medir a qualidade dos pesquisadores e instituições. Assim, a ciência e a tecnologia são avaliadas por um processo simplório, limitado,  não-científico e que dá margem à inúmeros deslizes. Por outro lado, diversos produtos não-tradicionais” da C&T não alcançam o mesmo espaço para a divulgação de seus resultados e acabam por não atingirem um grande impacto acadêmico - residindo em uma “zona cinzenta” da produção científica - embora inúmeras vezes eles sejam responsáveis por um expressivo impacto social. Neste sentido, a palestra irá debater sobre os limites do modelo de avaliação tradicional da ciência e da tecnologia, além de refletir sobre as possíveis alternativas de avaliação desse tipo de conhecimento.

[PL03] Paulo Cesar - Antropologia, História e Economia da Cerveja

Segunda - feira

16:30 - 18h

IQ03

Parafraseando o fisiologista e químico americano Lawrence Henderson (1878-1942), a ciência deve mais à cerveja do que a cerveja deve à ciência. Movimentando mais de 280 bilhões de dólares anualmente, cerveja é parte da cultura popular e é a bebida alcoólica mais consumida do mundo, a terceira entre todas as bebidas após água e chá. No entanto, a influência da cerveja sobre a humanidade é muito mais antiga e ampla do que pode sugerir a cultura de massas atual. A cerveja é ligada à domesticação de grãos e à fixação do homem à terra, estando, portanto, nas raízes da civilização humana. Foi a principal bebida e alimento de grandes civilizações na Antiguidade e, durante a Idade Média, uma bebida mais segura e potável que a própria água. Pode-se creditar à cerveja, por exemplo, o aprimoramento do motor a vapor, o advento da microbiologia, a pasteurização e a refrigeração artificial, sem os quais não se pode conceber o modo de vida humano atual. Assim, esta apresentação busca abordar os aspectos gerais históricos e antropológicos da produção e consumo de cerveja pelo homem ao longo dos últimos ~6000 anos. Sem a pretensão de discutir questões técnicas sobre produção, tipificação ou análise, propõe-se apresentar, com o mínimo de rigor científico aceitável a um não especialista, a longa relação entre o homem e a cerveja sob o ponto de vista de um químico inorgânico (e consumidor).

[PL04] Susanne Rath - Fármacos veterinários: impacto ambiental x saúde humana

Terça - feira

10h - 12h

IQ05

O crescimento da população tem demandado um aumento da produção de alimentos para garantir a segurança alimentar. Estima-se que em 2050 a população mundial irá atingir 9,8 bilhões de pessoas. Para suprir o mercado de proteína animal, a criação intensiva de animais para fins de produção de alimentos tem sido uma prática comum e necessária e, para tanto, o uso de medicamentos veterinários tem sido uma prática frequente. Os insumos farmacêuticos ativos e seus metabólitos são eliminados in natura pelas excretas dos animais tratados, podendo contaminar o solo, águas e outros compartimentos ambientais. Cabe destacar que fármacos de uso veterinário são

contaminantes de preocupação emergente, uma vez que, até os dias atuais não existem legislações que estabeleçam limites de resíduo específicos para a concentração desses compostos no ambiente. Pelas suas características físico-químicas podem ser considerados, a principio, como resistentes aos processos de degradação natural e, portanto, persistentes no ambiente e tem potencial para bioacumulação, podendo trazer danos irreversíveis à biota. Atualmente a preocupação e discussão sobre a presença de fármacos no ambiente tem sido focada na questão ecotoxicológica e, em especial, o desenvolvimento de genes resistentes ao insumo farmacêutico ativo, em especial antimicrobianos.

Além do impacto ambiental, o uso de fármacos na produção animal pode levar a presença de resíduos acima dos considerados seguros nos produtos de origem animal, impondo, assim um risco a saúde humana. Os limites máximos de resíduos de fármacos em alimentos de origem animal são recomendados pelo Codex Alimentarius e estabelecidos a partir de estudos toxicológicos conduzidos pelo Comitê JECFA (Joint Committee on Food Additives) da FAO/OMS. Indubitavelmente, a preocupação maior quanto a segurança do alimento é o uso de antimicrobianos na produção de alimentos, tanto, para fins terapêuticos, metafiláticos, profiláticos e como melhoradores de desempenho. Muitos países estão banindo o uso dos antimicrobianos como melhoradores de desempenho, em decorrência das evidências científicas que o uso destes tem contribuído para o aparecimento da resistência bacteriana, o que pode impactar, além da saúde animal, a saúde humana e o meio ambiente. Esse seminário tem como objetivo apresentar a situação do Brasil quanto ao uso

de medicamentos veterinários na produção animal e sua implicação na segurança alimentar e segurança do alimento.

[PL05] Ana Maria Frattini Fileti - Inteligência Artificial aplicada a Processos Químicos

Terça - feira

14h - 16h

IQ05

Redes neurais artificiais. Lógica Fuzzy. Automação e controle de processos.

Aplicações experimentais em escala piloto: colunas de destilação e absorção, reatores e biorreatores;  implementação industrial: aciaria e alto forno.

Monitoramento acústico inteligente, com identificação de: vazamentos em gasodutos; padrões de escoamento multifásico em indústria de petróleo.

[PL06] Márcia Cristina Breitkreitz - Desenvolvimento de métodos analíticos por Cromatografia empregando Quimiometria

Terça - feira

14h - 16h

IQ06

O desenvolvimento analítico moderno busca cada vez mais métodos rápidos, simples para a quantificação de analitos na presença de interferentes em matrizes complexas e preferencialmente que possam ser aplicados a mais de um produto (métodos multiproduto). O Laboratório de Pesquisas Farmacêuticas e Quimiometria (LabFarQui) da Unicamp tem trabalhado com a aplicação de métodos quimiométricos para o desenvolvimento analítico por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (HPLC), Cromatografia Líquida de Ultra Alta Eficiência (UHPLC) e Cromatografia com Fluído Supercrítico de Ultra Alta Eficiência (UHPSFC). Para a compreensão e quantificação da influência das variáveis de entrada do método (x) e seus parâmetros de desempenho (y) métodos de Planejamento e Otimização

Experimental (DOE, Design of Experiments) têm sido incentivados por agências regulatórias internacionais em uma estratégia denominada Analytical Quality by Design (A-QbD). Ferramentas de DOE auxiliam o desenvolvimento racional para que a separação física dos compostos seja alcançada por Cromatografia. Por outro lado, muitas vezes não é possível alcançar a separação física dos componentes na coluna e, nestes casos, métodos quimiométricos de separação de sinais, tais como o MCR-ALS (Multivariate Curve Resolution – Alternate Least Squares) acoplados à detecção espectrofotométrica por arranjo de diodos (DAD, Diode Array Detector) permitem a quantificação na presença de interferentes, mesmo em situações de elevada similaridade espectral. Devido às características deste método quimiométrico, ele pode ser aplicado a mais de um produto e não requer revalidação caso novos interferentes sejam identificados na aplicação de rotina do método cromatográfico. Nesta palestra, serão apresentados fundamentos e alguns resultados da aplicação de Planejamento Experimental para separação de analitos de interesse farmacêutico e compostos bioativos empregando as técnicas cromatográficas citadas acima e aplicações de métodos de resolução multivariada de curvas por MCR-ALS para a quantificação na ausência de seletividade.

[PL07] José Luis - A Toxicologia e a Química Forense na era das novas drogas de abuso

Terça - feira

16:30 - 18h

IQ05

O abuso de substâncias psicoativas é um grande problema social e de saúde pública em todo o mundo. As Novas Substâncias Psicoativas (NSP) representam o grupo de drogas de abuso de maior relevância na atualidade, tanto pela enorme diversidade de substâncias que compõe o grupo quanto pela falta de dados toxicológicos ou epidemiológicos de uso. As NSP são substâncias ou misturas de substâncias psicoativas produzidas em laboratórios clandestinos, por síntese química a partir de substâncias precursoras encontradas ou não na natureza. Podem ser sintetizadas por pequenas modificações na estrutura de moléculas que já possuam atividade biológica conhecida. São utilizadas muitas vezes para proporcionar ao usuário efeitos semelhantes aos produzidos pelas drogas de abuso "tradicionais", porém sem a classificação de substância ilícita ou controladas internacionalmente, como a cocaína, metanfetamina, 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) e dietilamida do ácido lisérgico (LSD). As NSP se tornaram um grave problema de saúde pública, havendo relatos em todo o mundo de hospitalizações e mortes de usuários após intoxicações graves por estes agentes. 

[PL08] Thiago do Carmo - A Química de Poliuretanos

Terça - feira

19h - 21h

Miniauditório

Desde o século XIX, os polímeros têm sido alvo de pesquisa e desenvolvimento devido às diversas rotas sintéticas, formas de processamento e propriedades intrínsecas desses materiais. O esforço conjunto da academia e da indústria tem viabilizado aplicações das mais refinadas, como protética e engenharia aerosespacial, às mais corriqueiras, como embalagens e acessórios domésticos. De modo geral, cada classe de polímeros (p. ex. poliolefinas, poliamidas, poliésteres, etc.) encontra aplicação tão restrita quanto a adequação de suas propriedades à aplicação. No entanto, existe uma classe de polímeros que se destaca por sua versatilidade e, consequentemente, por sua ampla participação na indústria: a classe dos poliuretanos. Nesta palestra, a química de poliuretanos será explorada de forma teórica e prática, visando expôr a relação de conceitos da ciência de polímeros e seus impactos na aplicação dos poliuretanos na forma de espumas rígidas, flexíveis e de elastômeros.

[PL09] Luiz Carlos Dias - Desenvolvimento de candidatos clínicos para doenças parasitária tropicais em colaboração com a MMV e com DNDi

Terça - feira

19h - 21h

IQ04

O Laboratório de Química Orgânica Sintética (LQOS), no instituto de Química da Unicamp (LQOS) firmou, em março de 2013, um acordo de cooperação inédito na América Latina, com a Drugs for Neglected Diseases initiative (DNDi) e com a Medicines for Malaria Venture (MMV), com o objetivo de desenvolver novos medicamentos e tratamentos para doenças parasitárias tropicais como malária, Doença de Chagas e leishmaniose visceral. O projeto envolve otimização de compostos líderes para tratamento de doenças parasitárias tropicais em colaboração com a DNDi e com a MMV. Este modelo de projeto, inédito no Brasil, permitirá avançar na cadeia de descoberta de medicamentos para o tratamento de doenças tropicais parasitárias no País.

[PL10] Isabel Schievenin - O ensino de química como ferramenta para o desenvolvimento do pensar

Quarta - feira

10h - 12h

IQ05

A evolução  do pensar humano nas ciências e o aprendizado  da química como caminho. O uso pragmático da química e a criação  da atual realidade. O currículo de química e visão do desenvolvimento  humano na pedagogia waldorf. 

[PL11] Ronaldo Pilli - A Síntese Orgânica e Algumas Lições da Natureza

Quarta - feira

19h - 21h

IQ06

Há séculos a Natureza tem inspirado os cientistas no que ser refere ao desenvolvimento de novas moléculas para aplicações diversas. Uma área ainda carente em nosso país é a de desenvolvimento de novos princípios ativos que possam levar a novos fármacos. Esse é um caminho longo e de alto custo mas que exige, sobretudo, a formação de recursos humanos qualificados para o processo da descoberta e da inovação. 

Embora existam várias abordagens para esse processo, a inspiração em moléculas produzidas pelo metabolismo secundário de plantas, insetos e microorganismos ainda é responsável pela maioria dos fármacos introduzidos no mercado. 

Nesta palestra, apresentaremos resultados de nosso grupo de pesquisa relativos à síntese de produtos naturais, isolados ou não da biodiversidade brasileira, e de análogos com a finalidade de contribuir para a determinação estrutural e para estudos in vitro e in vivo frente a algumas linhagens de câncer. 

[PL12] Leandro Martinez - Modelagem de estrutura de proteínas usando espectrometria de massas de ligação cruzada

Sexta - feira

10h - 12h

IQ04

A determinação da estrutura de proteínas é um problema central da biologia. As metodologias experimentais consagradas para este propósito, em particular a cristalografia de proteínas, a ressonância magnética nuclear e a criomicroscopia eletrônica, são custosas do ponto de vista experimental e não são capazes de resolver as estruturas no mesmo ritmo em que novas proteínas são identificadas pela genômica. Métodos experimentais mais baratos e rápidos, associados a metodologias computacionais, são uma alternativa. Neste seminário, serão apresentadas os fundamentos experimentais e os métodos computacionais que estão sendo desenvolvidos para o uso de restrições de distância obtidas por experimentos de ligação-cruzada e espectrometria de massas

na determinação da estrutura terciária de proteínas. Este trabalho é uma colaboração entre nosso grupo de modelagem molecular e o grupo de espectrometria de massas do Prof. Fabio Gozzo, sendo um exemplo bem sucedido da interação entre grupos teóricos e experimentais no Instituto de Química.

[PL13] Horiba - Advanced optical spectroscopy in materials characterization

Sexta - feira

14h - 16h

IQ03

Palestrantes: João Lucas Rangel, Igor Carvalho

Optical analysis refers to the broad and general process by which a material's structure and properties are probed and measured. It is a fundamental process in the field of materials science, without which no scientific understanding of engineering materials could be ascertained. While many characterization techniques have been practiced for centuries, such as basic optical microscopy, new techniques and methodologies are constantly emerging. In particular, the advance of some micro-techniques, such as, Raman and Fluorescence spectroscopies, Photoluminescence, Electroluminescence, Micro XRF and Glow Discharge Optical Emission Spectrometry, which has revolutionized the field. These techniques allow the imaging and analysis of structures and compositions on much smaller scales than was previously possible, leading to a huge increase in the level of understanding as to why different materials show different properties and behaviors. Nowadays, many studies are migrating for nanoscale research, in order to have a better understanding of many nano-process, which can only be determined on nanoscale and aren't not reproducible on microscale. Thanks to the advance of technology, nano-techniques are becoming more popular, such as AFM-Raman, where combines the AFM capabilities to characterize the morphology and structure, and the Raman capabilities to characterize the chemical composition of the sample at nanoscale. Applications involving such micro-techniques has been rapidly growing in recent years. The demand comes mainly from several areas in materials science, such as fiber optics telecommunication, solar energy conversion, lasing media, LED and OLED technologies and development of upconversion nanoparticles for biomedical analyses and bio imaging.

[PL14] Corteva - Nathan Vitorazzi de Castro - A link between modern agrochemical formulations and a sustainable world

Sexta - feira

14h - 16h

IQ04

Palestrantes: -

Qual a química por trás dos agroquímicos? Qual a função de um químico no setor agrícola? Como é possível falar de sustentabilidade quando falamos de agroquímicos? Uma população estimada em mais de 10 bilhões de pessoas para 2050 como será possível produzir alimentos para todos? Em um momento está ocorrendo mudanças comportamentais na alimentação esta palestra abordará desde os conceitos químicos e de desenvolvimento de formulações para o setor agrícola até o momento da entrega dos alimentos aos consumidores. Será apresentado o que empresas, universidades e centros de pesquisas estão investigando para reduzir os impactos ambientais focando em um mundo mais sustentável.

[PL15] Fábio Gozzo - Espectrometria de Massas: Revelando as interações não-covalente que regem a nossa vida

Sexta - feira

16:30 - 18h

IQ04

A primeira etapa para entendermos a química é entendermos as interações fortes ( ligações químicas) pois elas são a base das moléculas que descobrimos e criamos. Mas conforme aumentamos a complexidade de um sistema, as ligações fracas (não-covalentes) é que passam a reger as propriedades desses sistemas. Nós, seres vivos, somos o maior exemplo disso: o nosso corpo todo é sustentado por ligações não-covalentes! As reações que nos tornam vivos também são regidas por ligações fracas!

Nesta palestra, vamos falar da importância dessas interações no dia a dia e como podemos usar técnicas tradicionais de caracterização molecular para medir e entender essas interações fracas nas áreas de química de material e bioquímica.

[PL16] Pedro Paulo Corbi - Química Bioinorgânica: o uso de metais e seus complexos em medicina

Sexta - feira

16:30 - 18h

IQ03

As atividades exercidas por íons metálicos no meio biológico têm estimulado, ao longo do

tempo, a pesquisa e o desenvolvimento de compostos inorgânicos como possíveis agentes terapêuticos. Historicamente, as aplicações de sais de prata e cobre para tratar desde feridas de pele até a esterilização de água, assim como o uso de ouro em preparações medicinais para o tratamento de diversos males no século VIII, eram práticas muito comuns. No entanto, somente no final do século XIX, com o uso do dicianidoaurato(I) de potássio por Robert Koch no tratamento da tuberculose, os metais passaram a ser utilizados com certa racionalidade na medicina. Atualmente, os metais e seus complexos são utilizados de maneira racional e consolidada tanto no diagnóstico quanto no tratamento de doenças. Alguns exemplos são os complexos de ouro no tratamento da artrite, sais de lítio utilizados em tratamentos psiquiátricos (sobretudo em transtornos bipolares), compostos à base de cério no tratamento de queimaduras, complexos de prata como agentes antimicrobianos e complexos de Pt(II) no tratamento do câncer. Nesta palestra, iremos abordar alguns aspectos históricos do uso de metais em medicina e os principais avanços nesta área nos últimos anos.